quarta-feira, 23 de agosto de 2017

♥ A ARTE DOS ELOGIOS




Podemos nos defender de um ataque, mas somos indefesos a um elogio.

Elogios, todo mundo gosta, não é mesmo?

Pesquisadores da universidade de Yale, nos Estados Unidos da América, realizaram um estudo com dez mil pessoas para medir o poder da amizade na qualidade de vida.

O resultado foi impressionante.

Ter amigos reduzia em nada menos que 50% o risco de morte, sobretudo por doenças, num período de cinco anos.  

Muitos de nós temos facilidades para fazer novos amigos.

Mas, nem sempre temos habilidade suficiente para manter essas amizades.

É que, pelo grau de intimidade que os amigos vão adquirindo em nossas vidas, nos esquecemos de respeitá-los. 

Assim, num dia difícil, acreditamos que temos o direito de gritar com o amigo.

Afinal, com alguém devemos desabafar a raiva que nos domina.

Porque estamos juntos muitas horas, justamente por sermos amigos, nos permitimos usar para com eles de olhares agressivos, de palavras rudes. 

Ou então, usamos os nossos amigos para a lamentação constante.

Todos os dias, em todos os momentos em que nos encontramos, seja para um lanche, um passeio, uma ida ao teatro ou ao cinema, lá estamos nós, usando os ouvidos dos nossos amigos como lixeira. 

É isso mesmo.

Despejando neles toda a lama da nossa amargura, das nossas queixas, das nossas reclamações.

Quase sempre, produto da nossa forma pessimista de ver a vida.

Sim, nossos amigos devem saber das dificuldades que nos alcançam para nos poderem ajudar.

O que não quer dizer que devamos estragar todos os momentos de encontro, de troca de afetos, com os nossos pedidos, a nossa tristeza.

Os amigos também têm suas dificuldades e para nos alegrar, procuram esquecê-las e vêm, com sua presença, colocar flores na nossa estrada árida.

Outras vezes, nos permitimos usar nossos amigos para brincadeiras tolas, até de mau gosto.

Acreditando que eles, por serem nossos amigos, devem suportar tudo.

E quase sempre nos tornamos inconvenientes e os machucamos. 

Por isso, a melhor fórmula para fazer e manter amigos é usar a gentileza, a simpatia, a doçura no trato com as pessoas. 

Lembremos que a amizade, como o amor, necessita ser alimentada como as plantas do nosso jardim.

Por isso a amizade, necessita de terra fofa da bondade, do sol do afeto, da chuva da generosidade, da brisa leve dos pequenos gestos de todos os dias.

Use a cortesia nos teus movimentos e ações, gerando simpatia e amizade. 

Comece no ambiente de trabalho.

Os que trabalham contigo merecem a tua consideração e o teu respeito. 

Torna-os teus amigos.

Por isso, no trato com eles, use as expressões: por favor, muito obrigado. 

Lembra-te de dizer bom dia, com um sorriso, desejando de verdade que eles todos tenham um bom dia.

Observa e ajuda quanto puderes, gerando clima de simpatia.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

♥ COMO ADQUIRIR A VERDADEIRA SABEDORIA



Era uma vez um jovem que visitou um grande sábio para lhe perguntar como se deveria viver para adquirir a sabedoria.

O ancião, ao invés de responder, propôs um desafio:

- Encha uma colher de azeite e percorra todos os cantos deste lugar, mas não deixe derramar uma gota sequer.

Após ter concordado, o jovem saiu com a colher na mão, andando a passos pequenos, olhando fixamente para ela e segurando-a com muita firmeza.

Ao voltar, orgulhoso por ter conseguido cumprir a tarefa, mostrou a colher ao ancião, que perguntou:

- Você viu as belíssimas árvores que havia no caminho? Sentiu o aroma das maravilhosas flores do jardim? Escutou o canto dos pássaros?

Sem entender muito o porquê disso tudo, o jovem respondeu que não e o ancião disse:

- Assim você nunca encontrará sabedoria na vida; vivendo apenas para cumprir suas obrigações sem usufruir das maravilhas do mundo. Assim nunca será sábio.

Em seguida, pediu para o jovem repetir a tarefa, mas desta vez observando tudo pelo caminho.

E lá foi o rapaz com a colher na mão, olhando e se encantando com tudo.

Esqueceu a colher e passou a observar as árvores, cheirar as flores e ouvir os pássaros.

Ao voltar, o ancião perguntou se ele viu tudo e o jovem extasiado disse que sim.

O velho sábio pediu para ver a colher e o jovem percebeu que tinha derramado todo o conteúdo pelo caminho.

Disse-lhe o ancião:

- Assim você nunca encontrará sabedoria na vida; vivendo para as alegrias do mundo sem cumprir suas obrigações. Assim nunca será sábio.

Para alcançar a sabedoria terá que cumprir suas obrigações sem perder a alegria de viver.

Somente assim conhecerá a verdadeira sabedoria.

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

♥ CORAÇÕES DISTANTES



Vocês sabem por que quando estamos bravos gritamos cada vez mais alto, e quando estamos apaixonados falamos baixinho?

Um dia, um mestre budista fez a seguinte pergunta a seus discípulos:

Por que as pessoas gritam quando estão aborrecidas?

Gritamos porque perdemos a calma. Disse um deles.

Questionou novamente o mestre:

Mas, por que gritar quando a outra pessoa está ao seu lado?

Bem, gritamos porque desejamos que a outra pessoa nos ouça. Retrucou outro discípulo.

E o mestre volta a perguntar:

Então não é possível falar-lhe em voz baixa?

Várias outras respostas surgiram, mas nenhuma convenceu o mestre. 

Então ele esclareceu:

Vocês sabem por que se grita com uma pessoa quando se está aborrecido?

O fato é que, quando duas pessoas estão aborrecidas, seus corações se afastam muito.

Para cobrir esta distância precisam gritar para poderem escutar-se mutuamente.

Quanto mais aborrecidas estiverem, mais forte terão que gritar para ouvir um ao outro, através da grande distância.

Por outro lado, o que sucede quando duas pessoas estão enamoradas?

Elas não gritam.

Falam suavemente.

E por quê?

Porque seus corações estão muito perto.

A distância entre elas é pequena.

Às vezes estão tão próximos seus corações, que nem falam, somente sussurram.

E quando o amor é mais intenso, não necessitam sequer sussurrar, apenas se olham, e basta.

Seus corações se entendem.

Por fim, o mestre budista conclui, dizendo:

Quando vocês discutirem, não deixe que seus corações se afastem, não digam palavras que os distanciem mais, pois chegará um dia em que a distância será tanta que não mais encontrarão o caminho de volta.