quarta-feira, 5 de julho de 2017

♥ ESTOU VELHO DEMAIS PARA RECOMEÇAR



Quando éramos crianças ouvíamos muito:
“O que você vai ser quando crescer?”
Mas assim que crescemos e nos tornamos adultos começamos a pensar:
“O que eu sou de verdade?”
Os anos se passam e então nos perguntamos:
“Que tipo de pessoa me tornarei quando envelhecer?”
Já ouviu ou leu sobre a ilustração da nota de cem Reais?
Ela é perfeita para ilustrar o valor que cada ser humano possui, independente de sua idade.
Se achássemos na rua uma nota de cem Reais, mesmo rasgada e amassada, nós não a ignoraríamos.
Não a deixaríamos jogada lá porque estava suja, velha e surrada.
O mesmo acontece conosco.
É claro que os anos virão, as rugas surgirão e o corpo se dobrará ao tempo, mas assim como a nota de cem Reais, mesmo velha, continua valendo cem Reais, não importa a nossa condição física, nós somos importantes e ainda possuímos o nosso valor.
As dificuldades podem nos desestabilizar, mas não podemos desistir de nossos sonhos, chorarmos as nossas mágoas e abandonarmos a nossa vontade de viver.
Assim que encontramos uma nota de cem reais velha, desdobramos ela com cuidado e ajeitamos com delicadeza para que ela não seja destruída por completo.
Ninguém rasga uma nota de cem reais, mesmo velha.
Mas o que dizer de nós?
As vezes surramos o nosso corpo, a nossa maneira de encararmos os nossos problemas e as nossas ansiedades.
Pensamos que estamos ultrapassados e velhos para recomeçarmos.
Neste caso, por que rasgarmos a nossa autoestima e o nosso amor próprio e danificarmos os nossos pensamentos positivos e construtivos?
O mais sensato seria pensarmos com carinho no que podemos fazer de melhor, irmos em busca de novos ares, novas pessoas e novas amizades.
Só podemos descobrir o valor que possuímos quando não perdemos mais tempo precioso com pessoas que não nos valorizam.
Será melhor reservarmos um tempo só para nós mesmos.
Será melhor entendermos que envelhecer é um processo natural da vida e que esta fase poderá ser vibrante e bonita, basta que cultivemos e preservemos o nosso amor próprio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário