sexta-feira, 28 de outubro de 2016

♥ ALIVIANDO A BAGAGEM





Certa manhã, dois monges saíram em direção ao monastério. 
Ao chegarem em um pequeno rio, se depararam com uma jovem mulher que lhes pediu para que a ajudassem a atravessar. 
O monge mais velho logo a tomou em seus braços e a levou até o outro lado, deixando-a em terra seca e assim, continuaram sua jornada.
Alguns quilômetros depois, o jovem monge, tomado por um sentimento de raiva e indignação perguntou ao monge mais velho: 
"Você não se sente culpado e envergonhado do que fez? Como pode tomar aquela mulher em seus braços e carregá-la?"
O monge mais experiente então calmamente respondeu: 
"Sim, eu a carreguei. E a deixei lá na margem rio. Agora, me parece que você ainda a está carregando."
Se pararmos por um instante, e olharmos ao redor, poderemos ver mais claramente que, muitas das vezes, agimos como o jovem monge. 
Muitas das sensações ruins que hoje experimentamos, muitos dos sentimentos de raiva e decepção que sentimos por nós ou por alguém, são como bagagens que se amontoam em nossas costas e braços durante nossa vida. 
Essas “bagagens” foram adquiridas pela nossa falta de conhecimentos, experiências e imaturidade.
Os quilômetros de distância e os pensamentos do jovem monge não serviram para ensiná-lo, só fez aumentar ainda mais sua indignação. 
Foi preciso que ele se abrisse a um novo entendimento, a uma nova visão do acontecido para que compreendesse a atitude de seu amigo. 
Nunca devemos deixar de aprender. 
Mesmo que às vezes erremos, em outras, acertemos, o que importa é que estejamos sempre abertos a novos aprendizados e que, assim, possamos nos aliviar de nossos fardos.

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

♥ 6 RAZÕES PELAS QUAIS NÃO SEGUE OS SEUS SONHOS




O que o está a impedir de seguir os seus sonhos? 
Muitas pessoas – conscientemente ou não – estão a ‘auto-boicotarem-se’ e não concretizam os seus objetivos por medo ou insegurança.
Quais são as 6 razões mais apresentadas por aqueles que acham que os seus sonhos são demasiado grandes para ‘o seu caminhão´??
1. Não pergunta porque é demasiado tímido
A tímidez pode ser um grande ‘bloqueador’. 
Seja quando está a convidar alguém para sair ou se está a candidatar-se a um emprego, muitos não têm coragem de falar cara a cara com alguém. 
Ainda que hoje em dia grande parte da comunicação seja feita virtualmente, o psicoterapeuta garante que não há nada melhor do que falar pessoalmente: é muito mais difícil dizer que não presencialmente do que por email.
2. Acha que não merece
Se é daquelas pessoas que está constantemente a achar que não merece um emprego ou um companheiro melhor, pare e faça um ‘check-up’ interno. 
Que mensagens negativas anda a enviar a si mesmo? 
Porque acha que não é bom o suficiente? 
Esta análise pode ajudá-lo a encontrar pontos mais positivos. 
E lembre-se: tem o direito (e a obrigação) de ser feliz.
3. Põe em causa a sua capacidade
Achar que não tem capacidade para desempenhar determinadas tarefas ou que não tem talento suficiente, pode estar impedi-lo de fazer aquilo que sempre quis. 
As pessoas só aprendem com a experiência portanto ‘mergulhe de cabeça’. 
Claro que irá cometer erros – é normal –, mas com o tempo vai conseguir fazer tudo.


4. Acha que está demasiado ocupado
Todas as pessoas que tiveram sucesso nos seus negócios começaram por desenvolvê-los no seu tempo livre. 
Se quer seguir um sonho, largue a televisão e esqueça as idas ao cinema à noite e durante o fim-de-semana. 
Passe esse tempo a trabalhar no seu projeto ou a pensar como vai conquistar os seus sonhos. 

Não se esqueça que com esforço, tudo se consegue.

5. Acredita que há sempre alguém melhor
Convença-se de uma coisa: há sempre alguém que é mais bonito, que tenha mais dinheiro, que tenha tido melhores notas, que tenha mais experiência ou que seja carismático. 
E depois? 
Essas pessoas são diferentes de si, logo não oferecem o mesmo tipo de talento, os mesmos valores, a sua visão. 
E isto é tudo é mais do que suficiente. 
Acredite em si.
6. Está a tentar passar despercebido
Não gosta de se destacar porque tem medo de se magoar? 
É verdade que as pessoas bem-sucedidas tornam-se o ‘alvo’ favorito daqueles que estão zangados com a vida, que são inseguros e que se sentem inferiores. 
Mas não se deixe abater e não acredite naquele mito de que todas as pessoas bem-sucedidas acabam por se magoar.


NAM MYOHO RENGUE KYO
                                                 NAM MYOHO RENGUE KYO

terça-feira, 18 de outubro de 2016

♥ A CERTEZA E A DÚVIDA





Buda estava reunido com os seus discípulos numa certa manhã, quando um homem aproximou-se:
– Todas as pessoas podem atingir a Iluminação? – perguntou.
– Sim, todas podem – respondeu Buda.
Depois do almoço, aproximou-se outro homem.
– Todas as pessoas podem atingir a Iluminação? – quis saber.
– Não, não podem – disse Buda.
No final da tarde, um terceiro homem fez a mesma pergunta:
– Todas as pessoas podem atingir a Iluminação?
– Tu terás que decidir – respondeu Buda.
Assim que o homem foi embora, um discípulo comentou, revoltado:
– Mestre, que absurdo! Como o Senhor dá respostas diferentes para a mesma pergunta?
– Porque são pessoas diferentes, e cada uma chegará ao seu destino pelo seu próprio caminho. O primeiro acreditará na minha palavra. O segundo fará tudo para provar que eu estou errado. E o terceiro só acredita naquilo que é capaz de escolher por si mesmo.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

♥ O QUE VOCÊ PODE FAZER POR VOCÊ HOJE?


Você sai apressado todo dia, nem vê seu rosto no espelho?

Leva os filhos para escola, mas não se recorda do beijo?

Dá bom dia ao porteiro, não sabe seu nome? 

Come, trabalha, corre, dorme e suspira o tempo inteiro?

É um constante: 

- Ah se eu pudesse relaxar, me cuidar, jogar conversa fora com os amigos.
- Brincar com o cachorro na praia, cozinhar o prato predileto do amor da minha vida.
- Cuidar do jardim, fazer yoga, viajar, ter a vida que eu sempre quis. 

Você PODE! 

Comece pensando: 

O que eu posso fazer por mim mesmo hoje?

Escolha alguma coisa que sempre esteve em seus planos. 

Quer muito viajar? 

Vá até uma agência e faça um orçamento. 

Quer comprar aquele carro? 

Vá até uma loja e faça um test drive. 

Quer mais tempo com os filhos? 

Programe algo bem diferente, um tempo exclusivo para eles no fim de semana. 



Mova energia em torno daquilo que você deseja. 

Um desejo guardado é só um desejo, mas um desejo "energizado" com o Nam-myoho-rengue-kyo é sonho realizado com certeza. 

E aí? 

O que você pode fazer por você hoje?




Nam-myoho-rengue-kyo

Nam-myoho-rengue-kyo

Nam-myoho-rengue-kyo

♥ POR QUE NAM-MYOHO-RENGUE-KYO?





O daimoku é a prática budista mais elevada porque é um ensinamento de máximo humanismo. 

Qualquer pessoa, em qualquer lugar, pode recitar daimoku. 

Sendo uma prática fundamental, entenda por que o Nam-myoho-rengue-kyo é a palavra utilizada na recitação.

O primeiro passo é entender o significado de manifestar o estado de buda. 

Quando uma pessoa manifesta a suprema iluminação, significa que ela despertou para a “verdade mística que sempre existiu inerentemente em todos os seres vivos”.

O grande diferencial do Budismo Nitiren é a revelação da Lei suprema na vida das pessoas. 

A filosofia budista não revela essa verdade fora da nossa vida. 

Por isso, a prática budista é acessível a qualquer pessoa porque não depende de condições externas (influências culturais, comportamentais, étnicas, econômicas etc.).

O significado prático disso é possibilitar à pessoa realizar o supremo bem em qualquer ação cotidiana. 

Isso porque ela reconhece e se inspira em seu poder interior ilimitado para vencer num nível fundamental todos os seus sofrimentos. 

Em outras palavras, significa que ela tem liberdade e sabedoria para acabar com o sofrimento e conquistar a felicidade absoluta em sua vida.

Vencer os sofrimentos num nível fundamental se refere à vitória sobre os sofrimentos do nascimento e da morte. 

Esse foi o ponto de partida do buda Sakyamuni ao atingir a iluminação e também a conclusão do budismo. 

Portanto, “despertar para a verdade mística” é o único meio para se libertar desses sofrimentos. 

Vencer o sofrimento da morte habilita o indivíduo a superar qualquer outro.

O Sutra de Lótus revela que a filosofia do “caminho interior” é a mais elevada porque ensina que todas as pessoas, sem exceção, podem manifestar a iluminação. 

Isso é a iluminação universal, que possibilita a todas as pessoas perceberem essa “verdade mística que sempre existiu inerentemente em todos os seres vivos”.

Antes do buda Nitiren Daishonin, o grande Mestre Tientai, da China, tentou estabelecer esse caminho. 

Ele atendeu a um número limitado de praticantes. 

Mas não era universal por não ser acessível a todas as pessoas. 

Nitiren Daishonin se iluminou para a “verdade mística” e abriu um caminho universal que garante a iluminação de todas as pessoas.

A “verdade mística” não tinha nome. 

Como Daishonin despertou para essa verdade, foi capaz de dar o nome mais apropriado. 

Isso abriu o caminho para a prática de recitá-la e propagá-la.

Nitiren Daishonin afirma no escrito “A entidade da Lei Mística”: 

“O princípio supremo não tinha originalmente um nome. Quando o sábio percebeu a misteriosa Lei (Myoho) que se embasava na simultaneidade de causa e efeito (Renge), denominou-o de Myoho-renge. Essa Lei única que é Myoho-renge abarca dentro de si todos os fenômenos que compreendem os dez estados de vida e os três mil mundos, sem carecer de nenhum deles (Kyo). Todos aqueles que praticarem essa Lei obterão simultaneamente a causa e o efeito do estado de buda”.

O presidente Ikeda explica: 

“O termo ‘Myoho-rengue-kyo’ já existia antes, pois era o título do Sutra de Lótus. Mas, Daishonin foi o primeiro a identificar Myoho-rengue-kyo como o nome do princípio do ‘verdadeiro aspecto de todos os fenômenos’ que, conforme ensina o Sutra de Lótus, é a profunda sabedoria de todos os budas”.

O passo seguinte de Nitiren Daishonin foi estabelecer a prática da recitação do daimoku. 

Daishonin agregou a palavra “Nam” (variação fonética de Namu) à verdade universal de Myoho-rengue-kyo e estabeleceu a prática que consiste em recitar e propagar essa verdade.

Nam significa “dedicar a vida a”. 

Recitar Nam-myoho-rengue-kyo expressa a determinação e o juramento de dedicar nossa vida à verdade de Myoho-rengue-kyo em pensamentos, palavras e ações. 

Dedicar a vida significa viver no estado de buda.

O presidente Ikeda afirma: 

“O ponto-chave na recitação de daimoku no Budismo Nitiren não está em simplesmente falar o nome de uma ‘verdade externa’. A recitação do daimoku é uma prática para revelar a ‘verdade interior’ que permeia tanto o universo como nosso próprio ser, e viver de acordo com essa verdade”.

Embora o Sutra de Lótus expusesse que as pessoas deviam abrir os olhos para a “verdade mística”, com o tempo, elas perderam de vista que essa verdade existia dentro delas.

Nesse contexto, Tientai estabeleceu uma prática meditativa para possibilitar às pessoas manifestarem o estado de buda em sua vida. 

Esse método da meditação para “observar a mente” pode ser visto como uma prática apropriada que restaurou o caminho correto do Sutra de Lótus.

Para possibilitar que todas as pessoas percebam e compreendam a “verdade mística inerentemente em todos os seres vivos”, Nitiren Daishonin deu a essa verdade o nome de Myoho-rengue-kyo e estabeleceu a prática da recitação e da propagação desse nome; ou seja, a prática do daimoku. 

Portanto, ele revelou o caminho para que todos dedicassem sua vida à “verdade mística” e vivessem com base nela.









Fonte: BS, ed. 2.137, 30 jun. 2012, p. A4

terça-feira, 4 de outubro de 2016

♥ OS OBSTÁCULOS À FELICIDADE E COMO SUPERÁ-LOS



A felicidade é um termo subjetivo. 
Felicidade pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes. 
Mas há elementos comuns que se aplicam a todos nós, e que podem não estar devidamente explícitos para você. 
A maioria de nós acha que os obstáculos  à felicidade envolvem coisas como não ter dinheiro suficiente, estar num  relacionamento ruim, não ter sucesso, ou não sentir-se realizado. 

Seja qual for o caso, na ausência daquilo que não conseguimos obter ou alcançar, por vezes, justificamos a nossa infelicidade com coisas ou pessoas exteriores a nós. 

Ainda que alguns acontecimentos ou pessoas possam contribuir para a vivência de experiências menos boas, cada um de nós tem sempre em si mesmo a responsabilidade de tomar uma atitude. 

O caminho da felicidade ou infelicidade estabelece uma relação muito mais forte com a nossa reação aos acontecimentos, do que com aquilo que nos acontece. 

É óbvio que temos sempre de ser razoáveis na análise do impacto que determinados acontecimentos têm na vida de cada um de nós. 

Mas, ainda assim, mesmo nas situações mais catastróficas há sempre pessoas que conseguem erguer-se acima do seu sofrimento e encontrar um novo significado na vida e, consequentemente recuperar a sua felicidade.

Para você que pode estar a sentir a sua felicidade negativamente afetada e certamente pretende superar os seus dissabores, importa superar aquilo que se apresenta como obstáculos à sua felicidade. 
Quando não valorizamos a nós mesmos, aquilo que possuímos, que sabemos fazer, e quando não sentimos apreço e estima pela pessoa que somos, afastamo-nos da criação de uma base sólida que possa edificar a construção da felicidade. 

Quando não aceitamos as nossas fraquezas, as nossas lutas, ou até mesmo as nossas dificuldades e incapacidades, colocamo-nos numa posição de desvantagem acerca de nós mesmos. 

Voltamo-nos contra nós mesmos, impedindo-nos de aceitar o estado ou situação que nos encontramos, dificultando as ações que poderiam solucionar os problemas e restituir o sentimento de bem estar e  felicidade.

Quando não reconhecemos que somos os principais responsáveis pelas forma como encaramos o estado de infelicidade em que nos encontramos, não conseguimos ser capazes de reconhecer que somos igualmente os agentes da possível melhoria e que ela é possível e depende de nós.
Assuma a responsabilidade pela sua própria vida. 
Essa é a única maneira de recuperar a sua autoestima e controle sobre a mudança a implementar.  
Verifique onde você está fazendo autosabotagem e pare com este tipo de comportamento. 
Comece a falar para si mesmo, e sobre si mesmo, em termos de autoresponsabilidade  e certamente vai  ver as circunstâncias da sua vida e você mesmo a mudar drasticamente para melhor.
Defina limites saudáveis acerca da sua responsabilidade sobre os acontecimentos de vida. 
Tente perceber que as atitudes negativas em nada melhoram o estado em que se encontra e que apesar de poderem existir pessoas e circunstâncias desfavoráveis, é a sua reação que mais impacto tem acerca da forma como você se sente na sua vida. Em seguida, faça escolhas sobre quem você quer ser na sua vida.
Que tipo de pessoa você quer ser? 
Quais são as relações que são importantes para você? 
Quais são tóxicas? 
Tome as suas decisões com amor e compaixão e tente entender que isso não significa que você tem de se sentir diminuído ou subjugado. 
Quando nos beneficiamos e nos elevamos a nós mesmos todos saem beneficiados, começando por você.

Quando você não tem a noção clara do caminho que quer percorrer ou não constrói os seus próprios motivos, pode ficar à mercê daquilo que os outros e a sociedade lhe transmitem. 

Corre o risco de movimentar-se por uma competitividade desmedida, pretendo obter mais do que os outros têm, ou comparar-se em demasia com a vida dos outros.  
Quando você corre atrás de sonhos que são baseados em lacunas percebidas a coisas externas a você, como coisas materiais ou até mesmo relacionamentos, então você está procurando a felicidade no lugar errado. 
Não são as coisas ou as pessoas que mais contribuem para a felicidade, é sempre a motivação e as intenções por trás das nossos desejos que mais importam. 
Encontre a base da sua felicidade interior e todos os fatores externos poderão ser benéficos se funcionarem  como um reforço para a sua vida, ao invés de você depender deles para a sua plena felicidade.
Saber o que quer e porquê. 
Distinga os seus desejos autênticos dos não autênticos. 
Para fazer isso você  precisa prestar atenção aquilo que sente acerca dos seus desejos. 

O que você está sentido é uma falta que precisa preencher, uma espécie de desespero? 
Ou você está a sentir-se tranquilo e animado para manifestar o que sabe que quer e dentro de suas capacidades de conseguir fazer, ser e ter? 
Os seus motivos e intenções são o que determinam o curso de ação das suas experiências de vida? 
Se você conseguir descobrir “o que” e depois o “porquê”, você vai desenvolver um enorme ímpeto que o colocará numa posição vantajosa para viver e tornar reais os sonhos que idealiza e a melhor parte é que você vai estar fazendo isso a partir de um estado de alegria e confiança interna, em vez de um estado de tensão e incerteza.
Muitas vezes a infelicidade resulta de sentimentos de “não ter o suficiente.” 


Quando você sente algumas faltas na sua vida às quais dá uma extrema importância e significado, pode fazer com que  se sinta deprimido e solitário. 

Mas você pode mudar isso, adotando uma atitude positiva.                                                                                                                     No entanto, isso não significa fingir ser algo ou alguém que não é. 

Tudo isso significa que você se está tornando mais sensível e atento acerca daquilo que já tem na sua vida. 

Quando você está apreciando, significa que você não está desvalorizando. 

Portanto, não importa o quão pequeno possa ser aquilo que você contempla, encontrar algo para ser grato no momento, e construir o seu caminho sedimentado nesse sentimento permitir-lhe-á ver o mundo como um lugar próspero.








Quando você não traça um propósito bem definido pode perder, sendo muito mais fácil deixar levar-se pelos caminhos do ego que podem conduzi-lo à infelicidade. 
É por isso que é tão importante  descobrir o que mexe com você, o que o impulsiona, o que o apaixona, e qual o propósito em que você está direcionado e focado. 
Descubra aquilo que é significativo para você, invista nas ações e atividades que no seu retorno o fazem sentir-se bem, com um senso de felicidade. 
Faça perguntas capacitadoras, a fim de encontrar o seu propósito, o que acabará por lhe trazer imensa alegria e satisfação:
O que me motiva na minha vida? 
Porque coisas eu sou apaixonado? 
Quais as qualidades que eu tenho que podem ser valorizadas e compartilhadas com o mundo? 
No que eu sou excecionalmente bom? 
Que tipo de pessoa quero eu ser? 
O  legado quero deixar? 
Funda-se ao seu propósito. Lembre-se que o seu propósito é algo que beneficia do seu total envolvimento. 
Olhe para as suas paixões e desejos mais verdadeiros e lá você vai encontrar o seu propósito.





É importante definir o que a felicidade significa para você, pessoalmente, e depois priorizar as coisas, pessoas e atividades que mais significado têm para você. 
Em seguida, dê tempo para que as coisas possam surtir efeito. 
É uma questão de equilíbrio e de delegação, quando necessário. 
Trata-se de encontrar a sua força interior, sua condição de BUDA, o que lhe dá a energia e motivação para tudo que você pretende realizar na vida.
O que é importante para você? 

Se você retirar as distrações da sua vida por um momento, o que resta?  
Descubra o que é mais importante para você e, em seguida, certifique-se de fazer disso uma prioridade em sua vida. 

Compreender que ser equilibrado na sua vida é extremamente importante para a sua felicidade e bem estar. 
Isso não significa que às vezes algumas coisas não irão ser alvo da sua atenção mais do que outras. 
Significa simplesmente que se você olhar para cada ano ou até mesmo a cada mês da sua vida, por exemplo, que você vai ser capaz de dizer que deu a cada área da sua vida a devida atenção. 
Isso significa que você percebe que a vida não é um lugar onde obtém tudo o que deseja, mas sim, que terá tanto mais sucesso quando mais investir nas vária áreas da sua vida que contribuem para a sua felicidade e realização pessoal. 
Assim, aprender a priorizar permitirá menos arrependimentos acerca daquilo que desejava ter feito e não deu a devida atenção. 
Faça com que a sua vida seja preenchida com o seu propósito, energia e motivação, fazendo com que cada momento conte, e você fertilizará o terreno para a felicidade. 
Nem sempre os obstáculos à nossa felicidade são facilmente percetíveis. 

Estes obstáculos estão fortemente relacionados com a forma como interpretamos as nossas prioridades de vida, o significado que damos ao que fazemos e à interpretação daquilo que nos acontece. 
Se você pretende realmente construir uma felicidade e bem estar sustentado, torna-se premente abordar estas questões de uma forma ou de outra. 
Mas a escolha é sempre sua.

NAM MYOHO RENGUE KYO

                       NAM MYOHO RENGUE KYO